6 de jun de 2016

Boa noite, peixinho

Há muito tempo que era daquele jeito
Chegava a ser confortável como era
Calada, sorridente, animada
Sofria mais internamente, mas ninguém sabia
Seu choro nunca era notado
E seu desespero calado, passava despercebido.

Ah como era bom, a época em que podia
reclamar a vontade e nada recebia
Boa era a sensação de tristeza que desaparecia
Voltava e ia, como seu brinquedo preferido
Mas não há como voltar, apenas aceitar
O fardo que agora carrega de seus pecados pagar

Odiava-se antigamente, mas agora percebe o quão era feliz
Pode ter pessoas ao seu lado agora, mas o que isso diz?
Nada, nada alem da sua incapacidade
Nada alem de não poder ficar sozinha em paz

Escuta e escuta, e por momentos respondeu
Entretanto não conseguia discutir, medo, medo
Lembra da sua boca costurada e sorri com a saída encontrada

Fio e linha, agulha afiada, espelho a frente, sua mente preparada
Mão firme, perfurando a pele
Um, dois, três pontos, logo acabará
Sangue das pequenas passagens escorre
Mas isso não a atordoa, logo estará acabado
E poderá tentar voltar ao seu antigo estado

Abriu seus lábios demais, muitas palavras vomitadas
Antes que maior o estrago fique, costurará a carne
Não doí, é até mesmo um alívio
Isto de novo fazer, lhe trará descanso

Engolirá tudo o que ouvir novamente
Mentirá para encubrir seu egoísmo
Lamberá sua lagrimas para que não as vejam
Será feliz para todos que assim acreditam

Mas tudo será uma mentira, e assim deve ser
Afinal, sempre mentiu. Como seu pai.
Esse ato que pode causar grandes tragedias
sempre foi seu maior refugio
E continuará sendo, até sua morte

Terá que prometer ao menos tentar,
manter os labios costurados para estragos evitar,
Já mente sobre tantas coisas, que diferença faz mais uma?

Ideologias, crenças, duvidas, gostos,
Tudo, esconda tudo e faça uma fachada
Uma fachada bem bonita para que todos acreditem
Que feliz e normal, feliz e normal, é

Feche os olhos agora, não engasgue no próprio sangue
Seu sorriso costurado com a linha dada nó
Irá fazer com que os pesadelos sejam pó

Sh, durma agora, será cantada uma canção
Sh, durma agora, o sangue está no coração
Sh, durma agora, enquanto sua mente está sã
Sh, durma agora, os dias virão

Boa noite

Useless Duty

Useless Duty
Nothing is as simples as we think,
When the river stream is just so thin.
Cracking rocks fall into the path,
While moving in the tracks, becomes impossible to bear
The doubtless crawl, while the pink tears fall,
Trying to make a difference when nothing really differs.
Instead of writing useless stanzas, you should get yourself together,
And think about the weather:
Stormy, Grey, Ugly, Coward,
Weak, Fat, Disaster,
Disappointment, Fear, Stress
Close your eyes.
Ignorance is the salvation and,
Because confronted with the truth
You just can't help but fail
Writing rhymes are useless and, you don't even do it right,
What are you doing trying?
Maybe it runs in your veins.
Your father’s dishonesty.
Your grandma’s hatred.
Your mother’s foolishness.
Truth be told, isolating yourself would be great.
As anyone else would have to deal with your hate
Hate, cry, emotions and stupid fear.
O O O You don't know what is to suffer.
Just pretending to be the victim of your own mind
Go away from the people you love, would be just right.
That'd be the wisest choice, you know that
But aren’t you too of a coward to ever cope with this final choice?
Bother them, fed them up, ignore them all.
That's is all this is about…
Why do you keep trying to make yourself friendly?
Why do you keep smiling and being nice to people?
Whatever you are trying to achieve with that,
You'll never accomplish it.
Bells, bells, bells, as Poe said,
Bells, bells, bells, as your heart breaks,
Bells, bells, bells, as my mind cries,
Bells, bells, bells, as my heart dies.
Little love of my life, I deeply apologize,
For all the things I said and craved.
I seek for forgiveness, and I hope you grant me at least that.
Because tonight, I’ll cry my eyes out to finally internalize,
That my beautiful hopes are no more than fail prizes
Trophies made up in my silly mind.
Shall I stop my fingers by cutting them out?
Shall I stop my feelings by erasing them out?
Shall I stop being a coward and tiring them out?
Yes, I shall do that and receive with a smile, even if there is nothing left,
The people I love to not let them sad.
With the knife made of despair, I’ll cut my fingers and brain,
To the last verse remain, it would have the shape of a heart that failed
In his one and only trait
And the last verse, O the last verse,
Would have the scent of the lost hopes
The hopes as the dreams I created, falling into the cage
Cage that holds already the first dreams
The childhood version of me, sadly made
Because that's the only thing I'm capable of.
Goodbye
PS: It's there, isn't it?

Just take it
Just take it
Just take it
Just take it
Just
Take

It

27 de mai de 2014

"Ela"

Trazia consigo um brilho
Conseguia seu olhar
sem o mínimo esforço
Conseguia sua atenção
sem a mínima vontade

Não, ela não tinha uma beleza incomum
Nem um corpo escultural
Podem achar exagero o que falo,
Mas não vêem o que vejo.

Ela tinha uma mente simplória,
Um calor quando falava
Felicidade ao sorrir
E amor quando passava.

Seria, para ela, um fardo?
Talvez um dom ou um presente.
Mas me parece, que ela, ao olhar para si
Não reconhece o que eu reconheço

Disse-me uma vez, uma única vez,
Que era bom passar o tempo comigo.
O que isso significaria?
Não, não igual a mim.

Ilusão, coisa que eu nunca me daria ao luxo
Não gosta de mim como eu gosto dela.

Mas o que me importa?
Se me sobrecarrego com sentimentos falsos
ou me iludo com palavras vazias?

Mesmo sofrendo, se há a possibilidade
Estarei ao lado dela.
Mesmo que já não esteja mais aqui.

Seguirei seus passos.
Até o último sol se por.

- Eu amo você.

6 de mar de 2014

Capítulo 2 - Escuro

- Áyla! - eu escutei alguém gritar meu nome. Minha cabeça está explodindo e me viro com calma em direção a voz. - Amiga! - é Carolina.
Ela me abraça com força e eu não consigo evitar e me encolho de dor. Ela para e me olha com preocupação.
- O que foi amiga? Você está bem?
É claro que eu não estou bem, idiota  Eu fecho meus olhos com força para afastar a voz dele da minha cabeça.
- Claro estou bem sim - mentir é feio Áyla! mas como a voz aguda dela é insuportável. - E você como está?
- Ah muito bem! Ontem nós fomos ao cinema e...
De alguma forma eu parei de ouvir a partir deste ponto. Eles gritavam dentro da minha cabeça e eu só queria que eles ficassem quietos. Queria que eles calassem a boca. não queria não eu sorri para Carolina e disse por fim:
- Ei Carol, desculpa, mas eu tenho que ir - eu olhei no relógio do celular... - Não posso demorar a chegar em casa amiga.
- Mas - ela franziu o cenho - ainda faltam dez minutos para o sinal bater - ela suspirou e tocou meu rosto. - Tem certeza de que está tudo bem?
Eu quero vomitar eu sorri eu toque dela e confirmei que estava bem mais uma vez antes de me apressar para chegar em casa.

...

De: XXX-090-3300
Para: Áyla
SMS: Querida, chegue logo, seu pai já está em casa e ele quer te ver.

...

De: XXX-090-3300
Para: Áyla
SMS: Querida? Onde você está? Seu pai está preocupado.

...

De: XXX-090-3300
Para: Áyla
SMS: ayla vem p/ casa agora seu pai ja saiu para te procurar ele ta irritado ayla cade voce?


Ontem estou? Meus olhos estão ardendo... Eu estou chorando, não estou? Olhei em voltei para perceber que estou de frente a escola, mas quando eu sai era o finalzinho da manhã por que está de noite então.
Meu coração começar a bater tão rápido que minha respiração falhava cade vez mais.
Peguei meu celular e vi que tinha muitas mensagens da minha mãe e a última foi a que mais me assustou. Ele saiu para me procurar?
- Ele vai me matar! - o que era para ser Sete gritou. As poucas pessoas que andavam por ali não se atreveram a olhar. Quem sabe que tipo de doida poderia ser...
- Não se eu o matar antes - riu Revoltado.
- Você está feliz - minha voz saiu muito trêmula e chorosa.
- Eu dei uma volta hoje, fiz o que queríamos fazer a muito tempo - ele riu mais - Sete adorou tomar sorvete.
- Sorvete? - eu engasguei ao falar. - Com que dinheiro?!
Eu olhei a minha bolsa e vi que a carteira onde guardei o dinheiro que meu pai tinha me dado para pagar uns amigos dele não estava mais ali.
- Vocês não fizeram isso! - eu gritei com uma voz aguda. Não sei se foi eu ou Sete, não dava para identificar.
- Aqui está você sua putinha - alguém que não era nós falou com uma voz rouca e incrivelmente nojenta.

Eu não queria me virar para olhar você já sabe quem é  eu não queria correr você também sabia que ele iria te pegar  e eu não queria estar no completo escuro agora.

Não importa mais, um de nós pensou. Acho que foi ela. Você vai se entregar?  Com aquela indignação só poderia ser o Revoltado. Eu não aguento mais ela pensou cansada. Todos eles estavam cansados, indignados, com vontade de viver, com vontade de chorar. Todos, inclusive eu, queriam escapar e simplesmente escorregar para outra vida... uma vida em qualquer outro lugar...



Ok... Isso ficou um pouco menos confuso do que o outro, mas não sei se ficou melhor... De qualquer forma, não sei quando a continuação disso sairá ou se sairá... Espero que tenha dado para entender o ponto deste capítulo ^^

Paula Gonçalves de Brito.


22 de jan de 2014

Capítulo 1 - Vocês

- "Caroline's Math Club" - eu li alto para mim mesma, deixei um suspiro escapar e me perguntei enquanto batia lentamente naquela porta azul marinho o por que de usarem nomes em inglês quando moramos no Brasil.
Caroline, a presidente do clube de matemática abriu a porta e escancarou um sorriso que me deu vontade de sair correndo que retribui.
- Áyla! - ela deu um gritinho feliz e me abraçou. 
- Carol! - eu disse e a abracei bem forte. - Tudo bem amiga? - Isso me enjoa.
- Estava com saudades de você! - eu falei dando o mesmo gritinho que ela.- Isso é insuportável.
- Ah, amiga, também! - ela me pegou pela mão e me arrastou para dentro da sala. - Galera, olha quem veio nos ver!
Haviam mais pessoas desde a última vez que vim. Continua um inferno. Ainda bem que vim vê-los. Eles falaram oi e voltaram a conversar, menos Lia que se levantou e veio me dar um abraço também. Quero ir embora. Eu a abracei bem forte, elas me perguntaram o por que da surpresa.
- Estou aqui para ver vocês é claro! -mentira eu disse animada - e para pegar uma ajudinha para as aulas. 
Elas riram, eu ri, nos abraçamos, me deram um caderno com anotações, nos abraçamos mais, prometi que voltaria, fui embora.

Voltei para casa, vi minha mãe, a cumprimentei, fiz o que pediu, fui para meu quarto, joguei a mochila no chão, tirei o uniforme, coloquei o pijama, desci para jantar, meu pai estava bêbado, ele quis falar comigo.
Quero ir embora disse que claro.
- Vamos subir - ele disse e soltou um arroto nojento. - Não precisamos que sua mãe escute nossa conversa.
Eu não quero ficar sozinha com você disse que claro. Entramos no meu quarto, ele me mandou sentar na cama
- Áyla querida, o que você anda fazendo na escola? - os olhos dele me assustavam.
- Nada de mais pai - minha voz tremia assim como meu corpo. Me pergunto o por que. - Apenas estou ficando mais tempo por causa de um grupo de estudos...
- MENTIROSA - ele agarrou meu cabelo e o puxou para trás. Isso dói papai não posso chorar não posso chorar.
- Não estou mentindo pai - eu disse com muito medo. Muito medo. - É verdade.
- PARE DE MENTIR - ele largou meu cabelo e deu um tapa no meu rosto. Eu fui pra trás com a força dele. - Eu vi você saindo com um garoto hoje! - ele puxou minhas pernas e eu cai com tudo da cama.
Não posso chorar, não posso chorar.
- Não pai... 
- ESTÁ ME CHAMANDO DE MENTIROSO? - ele cobriu minha testa com sua mão e a bateu com força no chão. Papai, para papai. Ele não parava.
- Não pai... - minha voz estava entrecortada, minhas lágrimas ameaçavam sair. Eu solucei baixinho e rezei para que ele não tivesse prestado atenção ele sempre vê isso.
- Ei - ele baixou a voz perigosamente, ele viu. - Você está chorando querida?
- Não pai - eu disse segurando minha respiração e não consegui segurar o grito quando ele passou a perna sobre mim, sentando no meu colo e me dando um soco na cara.
- Você acabou de gritar querida? - ele riu e me deu mais dois socos. Acho que isso o deixou satisfeito ele nunca está satisfeito. - Com isso você aprende a não mentir mais para mim? Acho que sim.
Ele se levantou e bateu a porta. Ouvi a chave, ele me trancou lá dentro, não trancou? Ele nos trancou de novo babaca.
- Calem a boca - eu disse baixinho. - Não preciso de vocês.
- Não precisa de nós? - eu disse com uma voz mais grave. - Você já teria se suicidado se não fosse por nós!
- Isso mesmo - eu disse com uma voz mais aguda - O papai é muito mal.
- Ele se atreve a continuar nos chamando de "querida", idiota - minha voz grave voltou.
- Áyla, a gente conta pra Materna? - voz infantil novamente.
- Não - eu voltei - Ela iria ter outro ataque e iria brigar comigo, Sete - eu disse me dirigindo a voz aguda. - Você também Revoltado, não se atreva a se voltar contra ele novamente.
- Ai - Sete, minha voz aguda e infantil disse - Ele nos bateu tanto!
- Você acha que não doeu em mim? - Revoltado, minha voz grave disse - Eu fiquei tão de saco cheio!
- É - eu voltei - Mas Materna chorou tanto. Imagino por que... - eu me sentei lentamente.
- Ai! - Sete disse - Chegava a doer o tanto que ela chorava, Áyla.
- Eu acho que a Materna pegou todos os seus sentimentos viu Áyla?- Revoltado disse e suspirou - Ela chorou pelo mesmo motivo que eu bati nele.
- Eu sou apenas uma de vocês Revoltado, Sete... - eu deixei meus olhos vagarem enquanto eu senti a dor. - A Materna é quem entende mais.
- Ela se esconde, não é? - Sete disse.
- Sim, Sete. - Revoltado disse.
- Ela era a dona original desse corpo não era? - eu disse cansada.
- Ela ainda é Áyla, por isso a chamamos de Materna, por isso ela chora e você não. - Revoltado suspirou exausto.
- Por que nós ainda fazemos isso? - eu disse.
- Por que nós amamos viver - disse Sete.
- Por que nós odiamos sentir dor - disse Revoltado.
- Por que eu não quero nunca morrer - eu, na verdade, Materna disse com a voz embargada.
E todos nós choramos. Por que somos um em um mesmo corpo. Por que todos sós convivemos nesse corpo e o compartilhamos. 
Por que a primeira de nós era fraca o bastante para nós criar.







É confuso pra caramba, é óbvio, mas acho que dá para entender que o que temos aqui não é sobrenatural e simplesmente psicológico. É como se fosse um transtorno de TDI, mas modificado por mim, no qual todos eles podem se comunicar e sabem da existência de cada um.
Acho que o que eu criei aqui não chega a ser um transtorno e sim uma forma de fuga de nossa protagonista. 

E por assim dito, vou acabando por aqui.

Paula Gonçalves de Brito.

15 de jan de 2014

Posso esperar

Posso esperar


Seu sorriso era desconcertante e a deixava sem ar,
Seu olhar era tão intenso que suas mão tremiam de nervoso,
Seu rosto era tão familiar que seu coração relaxa apenas por olhar,
Seu corpo tão perfeito a fazia suar frio,

Então por que ele não se sentia preparado?
Por que ela já estava decida e ele hesitava?
Se ele dizia que a amava por que ia embora toda noite?
Por que era ele o inseguro?

Não fazia sentido se ele dizia que a amava,
Adorava, queria ficar para sempre com ela
E ele sempre negava seus pedidos para ficarem juntos

Sua mente por mais que dissesse que ele poderia estar mentindo,
que ele poderia estar a traindo, simplesmente brincando com seus sentimentos
Seu coração não queria e não podia desistir daquilo, 

Estava apaixonada por ele e mesmo que ele não pudesse ficar ao seu lado
Ela o esperaria até que pudesse, mesmo que sua mente gritasse que era loucura
Seus sentimentos tomavam as rédeas e mostravam seu poder

Ela poderia esperar
Eu posso esperar



Inspirada na música I Can Wait Forever - Simple Plan


Como as estrelas


Como as estrelas

Era ela então como as estrelas,
Pareciam estar juntas umas das outras, 
mas eram tão distantes quanto pareciam

Sua mente estava começando a adquirir a solidão
Estava começando a vê-la como parte de si
Estaria ela enlouquecendo?

Mesmo se estivesse não havia a quem pedir ajuda
Não existia alguém que a resgataria
Nem se berrasse, não existiria tal pessoa

As estrelas devem ser muito solitárias,
Esse pensamento a acompanhava
Devem ser solitárias e tristes,
Fechava os olhos com tal pensamento
E por fim sempre concluía que era exatamente como elas

Mas após a conclusão de seu pensamento, ela sorria e dizia a si mesma:
- Por que estou eu triste? Se sou como as estrelas, nunca desistirei até que meu brilho se esvaia.